Substitutos do Açúcar

Os alimentos pesquisados a seguir podem ser usados para adoçar, substituindo o açúcar. Portanto, a matéria irá apresentar os benefícios e as meneiras de adoçar com cada um deles. São apenas 6  perguntas abaixo. Qualquer dúvida, por favor, me escreva.

-Poderia explicar por que o açúcar é o grande vilão da saúde e da dieta?
O excesso de açúcar está relacionado ao aumento dos níveis sanguíneos de triglicerídeos e redução dos níveis do HDL (colesterol bom), à desregulação dos mecanismos de fome e saciedade e ao aumento de peso corporal. Seus efeitos nunca são imediatos, mas lentos, acumulativos, insidiosos, drenando a saúde aos poucos. Ele é descalcificante, desmineralizante, desvitaminizante e empobrecedor metabólico. Além disso, o açúcar também provoca o surgimento de outras doenças como, por exemplo, as cardiovasculares, diabetes tipo 2 e até alguns tipos de câncer. Isso tudo porque o acúçar aumenta a acidificação do sangue, fermenta o sistema digestivo, altera a produção dos hormônios.

 

-Por que uso de adoçantes também está sendo excluído da alimentação? Qual o efeito negativo para a saúde?
Os adoçantes são utilizados em substituição ao açúcar, com o objetivo de emagrecer, ou até mesmo reduzir os níveis de glicose na corrente sanguínea. Contudo, é necessário alertar que eles são produtos artificiais e podem trazer uma ação tóxica para o organismo. O uso em excesso desse produto e a escolha da substância pode ocasionar alguns efeitos adversos na saúde. Na verdade, tudo que é consumido pelo indivíduo deve basear-se no equilíbrio, na relação de proporção entre o que é ingerido. As pessoas que necessitam do uso dos adoçantes por questões de obesidade, alguma patologia como diabetes ou preocupados com a estética, geralmente o utilizam sem nenhuma restrição e acreditam que essa atitude não poderá prejudicá-lo futuramente. Existem vários tipos de substâncias que compõem os adoçantes artificiais, entre elas podemos destacar a sacarina, o ciclamato e o aspartame. A sacarina é um dos mais conhecidos entre os tipos de adoçantes presentes no mercado. Ela é composta por enxofre e nitrogênio. No passado, pesquisadores alertaram para o perigo no uso dessa substância, uma vez que esta poderia estar relacionada com o surgimento de câncer de bexiga em ratos. Além de, conter sódio e devem ser evitados por pessoas hipertensas. Já o uso do aspartame pode estar associado ao surgimento de doenças como Mal de Alzheimer e doenças de Parkinson. Ainda pode-se relacionar o uso de adoçantes ao surgimento de câncer. Obesos: o aspartame faz com que deseje carboidrato e engorde. Grávidas: o aspartame causa malformação fetal. Pais: podem oferecer adoçantes a crianças com diabetes ou com sobrepeso, porém o seu consumo é calculado de acordo com peso. Cuidado. Além disso, o “açúcar” contido nos adoçantes acaba por mascarrar a quantidade real de calorias ingeridas pelo nosso corpo, dessa forma o organismo passa a associar o sabor doce com uma baixa ingestão de calorias, sendo que o correto seria associá-lo a um aumento no número de calorias ingeridas. Consequentemente o efeito emagrecedor dos adoçantes pode ser revertido em um ganho de peso. Porém, deve-se destacar a importância dos adoçantes para diabéticos, por exemplo. O consumo de adoçantes não deve ser em excesso, o usuário deve levar em consideração as quantidades recomendadas e as indicações quanto ao uso do produto, dessa forma evita-se possíveis problemas relacionados ao uso dos adoçantes. O consumo de açúcar é extremamente restrito e deve ser controlado. Proibido para diabéticos- devido ao aumento da insulina- e usado com cautela para quem quer perder peso. A sacarina, também conhecida de açúcar para diabéticos foi o primeiro substituto artificial do açúcar. Ela é feita da destilação do carvão, e é sintetizada do ácido toluenossulfônico (derivado da indústria petrolífera). Ciclamato e sacarina de sódio são derivados do ciclo hexioamina (um dos compostos do petróleo). O ciclamato foi proibido nos estados unidos por suspeitar ser a causa de câncer na bexiga. Sem comprovação científica, o produto voltou a ser consumido. Opte sempre pelos adoçantes naturais, que são extraídos das frutas, do mel, plantas. São derivados da frutose (frutas e mel), sorbitol (frutas e algas). Estévia: é o mais indicado, porém sem aditivos com esteviosídios. Consumir o mais puro possível. Sucralose: Adoçante de baixa caloria, não causa cárie, indicado para crianças e grávidas. Açúcar mascavo: açúcar integral, com vitaminas e sais minerais derivados do caldo de cana. Quanto mais escuro for, mais rico em nutrientes é.  Não possui aditivos derivados do intenso refinamento tornando-o mais compacto e natural. New Sugar: Criado pela equipe da faculdade de engenharia de alimentos da Unicamp, além de não ter calorias, não causa cáries e ainda melhora a flora intestinal. O adoçante tem sabor semelhante ao açúcar refinado e pode ser usado da mesma forma. Preste mais atenções nos rótulos dos produtos às vezes têm produtos muito semelhantes no mercado, mas quando olhamos sua composição, eles são totalmente diferentes.

 

-Saberia me explicar quais propriedades de cada um dos alimentos abaixo que fazem o efeito de adoçante natural?
Estrato natural de baunilha – pode ser usado como uma substituição saudável para o açúcar no cozimento e em receitas culinárias. Para reduzir a quantidade de açúcar.

Canela – é uma boa opção, pois aumenta a sensibilidade à insulina, o que ajuda a ampliar o centro de saciedade no cérebro e reduz os níveis de açúcar no sangue,

Purê de maçã – é uma boa opção, pois não altera o sabor da preparação.

Tâmara – possui muito açúcar natural

Coco ralado – o coco fresco ralado é um substituto interessante, pois possui bastante nutrientes.
Leite de amêndoas – é uma bebida leve e muito saborosa, podendo ser utilizado em diversas receitas (como bolos, caldos, vitaminas), sem deixar sabor residual. Possui uma textura cremosa e um sabor levemente adocicado.

Óleo de coco – deixa um sabor adocicado, apresenta antioxidantes, moléculas que previnem contra o envelhecimento precoce e doenças como o câncer. O consumo adequado deste alimento funcional está associado ao controle do LDL colesterol (mau), a prevenção de sua oxidação, além de elevar o HDL colesterol (bom). Também possui ação de fortalecer o sistema imunológico, regular o intestino e a glicemia.

Mel – tem poder adoçante duas vezes superior ao do açúcar, também é uma ótima opção para acompanhar cereais e até bebidas, de sucos a cafés, além de dar um toque a mais em pratos salgados. Possui ação anti-inflamatória e promove regeneração de tecidos em casos de cortes, machucados e queimaduras, acelerando o processo de cicatrização, devido à presença de peróxido de hidrogênio. Devido ao seu conteúdo de oligossacarídeos, possui propriedades prebióticas, ou seja, serve de substrato para as bactérias benéficas do intestino

Sal Rosa do Himalaia – é livre de toxinas e poluentes, esse alimento, recolhido em depósito seculares do Himalaia, é considerado o sal mais puro do planeta e sua cor rosa deve-se à alta concentração de minerais em sua composição – ele carrega mais de 80 tipos de minerais.

 

Stevia – é muito forte e uma pequena quantidade basta para conseguir grandes resultados. Exceder-se na dose corre o risco de que os alimentos fiquem muito doces e com um toque amargo, produto dos componentes da planta.

Deixe uma resposta